9.8.10

CORUJINHA

Ela me olhou
Nos olhos
Enquanto
Me aproximava
De seu assustar
Urbano

Foi como pousar
Em meu coração
Com garras
Quentes
Em noites
De frio

Mais um passo
Eu dava
Mais me encarava

Presa
Indefesa
Na selva
De pedra

Quis recostada
Em meu peito
A ouvir
O silêncio
Do vento

Outro passo
Outro olhar
Um voo

Já não havia
Silêncio
Só vento
Eco
Em meu peito
Vazio

Um comentário:

::::FERNANDO PACHECO:::: disse...

glup! gostei muito desse texto.. me identifiquei com seu jeito de buscar as palavras.


:::FER:::