17.7.10

JANELA

A manhã
'Ensolarava'
A pulsação pusilânime
Vertia tambores
Enquanto a quietude
Estatelava
O azul
Que influenciava outras cores:
Ciranda poética

A tarde
Sobreviria
Sestrosa
Para que a noite
Flutuasse
No limite
Inexaurível da lua

Um comentário:

Marcio Nicolau disse...

Gosto dos textos e, ainda não disse, mas amo a palavra âmbar, que dá título ao blog e à música da Adriana Calcanhotto que a Bethânia canta (pra variar, de maneira deslumbrante, diga-se de passagem)