4.10.10

CLARÃO

Vontade de ir a uma exposição
E ver o tempo parar
Em seus movimentos
Milimetricamente
Desconexos

Ir
Sem medo
Ao desconhecido
Das cores

Entender
O que não se explica
Confundir-me
Em razão
E perder-me
Lunática

Me encontrar

Num cumprimento
Olhar-me nos olhos

Piscar
Num segundo
E me expor
Na ação
Descontínua
Do caos

4 comentários:

Pérola Anjos disse...

Perder-se no encontro com a arte: encanto.

Beijos!

Saulo Taveira disse...

Clarão que a arte traz sobre nós mesmos.

Beijos.

Carmen Silvia disse...

Nesta exposição, piscamos contigo!!!

Clarão é um farol em nosso caos.

Um beijo Ana, e não canso de repetir que tua poesia de tão boa me espanta a seguir escrevendo.

claudia guay disse...

alguem acende a luz.
quero sair da escuridão!