24.11.08

LUTO

O corpo já estava entregue
Ao nada que sacode as folhas
Alimento de moscas

Os olhos já não abriam
Falso silêncio
Hora da agonia
A espera da espera
Do sangue que não cessa

No meu canto
Canto em reza
Um lamento
De choro contido
E calado

Pela alma
Pela destreza roubada
Pela fenda do olhar
Que já não abria

3 comentários:

Luiz Calcagno disse...

Me lembrou de João Bosco. Ufa! Comentei em todas. Está ali o corpo estendido no chão...

Beijo

Luiz Calcagno disse...

Acho que posso dizer que nosso vídeo ficou pronto. Quer dizer... O vídeo da Yoko. =)

yoko disse...

pode dizer nosso.

(ops, me intrometo na conversa alheia)

=)

--
não está mais no chão. foi parar nas páginas dos jornais.