22.5.10

A VACA


As tetas
Exuberantes
Amamentavam a humanidade
Vaca e humanidade gordas

A malhada
Pesada
Não tinha mais força
Nas pernas

A cambada
Cambaleava
Na dignidade

E o sino tocava

A vaca
Cavava
As patas
No matadouro,
O senhor
Sonhava
Com manjedoura

E ambos os rabos
Diziam adeus a vida
Diziam a Deus

Um comentário:

fernanda barreto disse...

muuuuuuh!
adoro vacas!
aliás, se tudo der certo, na próxima encarnação quero ser uma vaca sagrada, caminhando solenemente pelas ruas da índia.
=)
beijos e mugidos,
nanda