16.7.08

REFLEXO



Espio-me
Por uma fresta
Quase inércia
Nesse movimento
Anti-festa

Recolho-me
Em extrema solidão
Quase mar
Nesse ato
Anti-pão

Pulso-me
No ar
Quase espasmo
Nesse instante
Anti-par

Velo-me
Lúcida
Quase dança
Nesse intervalo
Anti-fúria

...

E o filme mudo da televisão desligada
Transmite o orgasmo estático

* Imagem = furto consentido da artista Michelle Cunha
http://www.flickr.com/photos/michellecunha

2 comentários:

maria ninguém disse...

assim como tu, minhas mãos seguem novelos, fios de ariadne

bjs, linda

Lídia Benjamim disse...

E isso é só.
Não precisamos de mais nada.
Você se refaz sempre.
Com todo o mistério que te permeia.
Beijos cálidos!