23.10.07

UMA SOLIDÃO



Não moro

Apenas coexisto
Em alguns pontos
Da cidade

Que calada

Acompanha
O desfile invisível
Dos arlequins

De um pedaço
Iluminado
Do edifício

Bocejo
As nuvens
Que querem chorar
A falta do sol

* Fotografia: furto consentido de http://www1.fotolog.com/corsel by Júlio Veríssimo!




Um comentário:

David_taba disse...

O poeta não mora, ele está!
"coexisto nas ruas da cidade" isso foi ótimo, estou curtindo muito ler o que escreve.
BeijO!